Luxo alimentar

Hoje o post é sério, é longo e não muito agradável, mas como ser Diva é ser consciente, eu vou falar de um comportamento de consumo que a gente tem (quase) por falta de opção e não costuma ser muito legal. Trata-se das nossas escolhas na hora de comer. 

Já tem um tempo que os produtos orgânicos invadiram as prateleiras, e a gente sabe que eles custam (bem) mais caro e costumam ser mais frescos e gostosos do que os alimentos normais. Em se tratando de frutas e legumes, acho que é realmente uma questão de escolha ingerir alimentos com ou sem agrotóxico. Se escolher os orgânicos, seu corpo realmente vai agradecer, mas esteja praparada para gastar cerca de 150% a mais com tais produtos. Se escolher os produtos comuns, lave bem em água corrente e não se esqueça de deixar de molho por 15 minutos na solução de limpeza para vegetais antes de consumir. Dá pra comprar em pastilha ou líquido. 

A história fica diferente quando falamos da carne, seja ela de frango, bovina ou suína. Os maus-tratos a que esses animais de abate se submetem é algo que me embrulha o estômago só de lembrar (quem quiser detalhes, há um doc de 2004 sobre o assunto - A Carne é fraca. As imagens são muuuuito fortes, o link pro trailer tá aqui). Não quero que ninguém abandone esse blog porque entrou aqui pra ler sobre maquiagem, viagens e tal e deu de cara com esse post. Mas não poderia deixar de falar sobre isso. 

O verdadeiro luxo é consumir de forma consciente. Sejam roupas, maquiagem, alimentos, eletrônicos, enfim, tudo mesmo. Então voltando aos animais, já existem fazendas certificadas no Brasil que tem um selo garantindo que não praticam tortura aos bichos antes do abate. Para conseguirem esse selo as fazendas precisam seguir normas rígidas que incluem, entre outras coisas, que o bicho não vai passar pelo stress de saber que está indo pro abate, ou passar dia e noite acordado só para engordar mais rápido. Além disso, o abate é feito com os bichos kind of anestesiados, o que garante que eles não vão sentir dor na hora de morrer. 


Tô falando isso tudo porque não sou vegetariana, não pretendo me tornar e acho justo nos alimentarmos de carne pois é assim que funciona a cadeia alimentar. Só que isso não significa que precisamos fazer com que os bichos passem por toda sorte de más condições em função do nosso consumo. Para dar uma ideia do que eu estou falando, algumas galinhas poedeiras (cuja única função é colocar ovos) chegam a um nível de estresse tão elevado que tem os bicos cortados para evitar que pratiquem canibalismo e que quebrem os ovos que acabaram de colocar. Triste e chocante é pouco.

***

Um belo dia o bofe foi ao mercado e voltou com um frango que tinha custado o dobro do preço, mas que tava escrito na embalagem um monte de coisas boas que eu não me lembro agora. A gente preparou o frango e, sem exagero, foi a carne de frango mais tenra e saborosa que eu já comi na vida. A receita era boa, mas simples, então era o frango mesmo que era especial. A marca do frango era Korin.

Aí hoje vendo Mundo S/A na Globo News, descobrimos que essa tal Korin era a marca dos frangos que não maltratava os animais. Gente, na hora eu decidi que só compraria essa marca a partir de hoje, porque mesmo sendo mais cara ela tem um valor agregado que não tem preço: me faz sentir bem fisica e mentalmente por estar consumindo frango. Além de ter uma carne muuuito mais gostosa em relação ao frango comum.

Comecei a pensar em como o stress a que o bicho é submetido pode ser capaz de alterar o sabor e textura da carne. Já tinha visto em algum lugar que as enzimas que os animais liberam minutos antes do abate são altamente danosas pra gente, mas com essa experiência deu pra ter certeza através do paladar.

Eu não sou especialista, mas tudo me faz crer que ao consumir uma carne orgânica a tendência do nosso corpo é ter menos celulite, menos flacidez, menos espinha, menos variação hormonal louca, etc. É nisso tudo que devemos pensar quando estivermos diante da prateleira do supermercado escolhendo nossas proteínas. Não tô dizendo pra ninguém se tornar radical, nem pra deixar de comer carne se não for orgânica, mas quando temos a possibilidade de escolher, porque não fazer uma escolha mais saudável para todas as partes envolvidas?

Quem não estiver a fim de começar a comprar frango Korin, uma pequena mudança já vai fazer uma enorme diferença: os ovos brancos são de galinhas que engordam à força à base de hormônios e excesso de estímulos, já os vermelhos são de galinha caipira, criadas com mais civilidade. Isso é uma coisa que a indústria não tem como simular. Se elas são criadas direitinho os ovos saem vermelhos, se não, os ovos saem brancos. Não é coisa de espécie, idade, nem nada. Então passem a comprar ovos vermelhos pois já é um grande passo.

O discurso também vale pros nossos queridos cosméticos. Quando todos os consumidores se recusarem a comprar marcas que fazem testes em animais, essa prática não vai mais existir.

#prontofalei #ficaadica

2 comentários:

O Bolinho disse...

Sempre quis falar sobre isso, e vc disse tudo!!!
Concordo com tudo, adoro Korin...procuro usar tudo orgãnico...meus cupcakes são feitos com ovos caipira, que fazem a maior diferença na qualidade do bolo...
Tudo orgânico é mais gostoso e quando a gente toma consciência dos danos aos animais, não dá pra usar outra coisa...
Parabéns pelo post!

Karenin disse...

Ai que bom ouvir isso! Tava na dúvida sobre postar ou não porque o tema não tem muito a ver com o resto do blog, mas o desejo de deixar outras pessoas saberem o que eu soube foi mais forte.
Beijocas e obrigada